Exercício CASCADE’19

Exercício CASCADE’19

CASCADE’192019-05-22 (IPMA)

Nos dias 28 de maio a 1 de junho de 2019, irá realizar-se o exercício europeu de Proteção Civil CASCADE’19, organizado pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil com a colaboração da Direção-Geral da Autoridade Marítima e cofinanciado pela União Europeia.

O exercício CASCADE’19 decorrerá nos distritos de Aveiro, Évora, Lisboa e Setúbal em mais de 60 cenários distintos, numa abordagem multirriscos que permitirão a intervenção no terreno de diferentes equipas, com valências e capacidades distintas, e o apoio de diversas instituições nacionais e internacionais.

O Instituto Português do Mar e Atmosfera, IPMA, como Autoridade Nacional nas áreas de Meteorologia e Sismologia irá colaborar no exercício CASCADE’19 simulando cenários de situação meteorológica adversa e de ocorrência de sismo e de tsunami. Esta colaboração irá permitir ao IPMA testar os seus recursos, competências, capacidade de comunicação e articulação com as diversas entidades no terreno em situações de catástrofe natural.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 1

VIII AÇÃO DE INTERAÇÃO

VIII AÇÃO DE INTERAÇÃO

macroalga2019-05-21 (IPMA)

No dia 29 de maio irá realizar-se na Estação Piloto de Piscicultura de Olhão a 8ª ação de interação "Cultivo de novas espécies com potencial aplicação em aquacultura, biotecnologia e outras indústrias" integrada no projeto AQUATRANSFER.

Esta ação tem por objetivo transferir conhecimento sobre o cultivo de algas e ouriço-do-mar, bem como aplicações em outras áreas económicas (biotecnológica, cosmética, alimentar/gourmet, etc.), de forma a promover a diversificação da produção em tanques de terra e/ou salinas, e, aumentar a rentabilidade destes sistemas de produção com a utilização destes organismos com potencial valor económico.

Imagens associadas

  • operadores macroalgas
    operadores macroalgas

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 1

Visitas à Estação Aerológica Gago Coutinho

Visitas à Estação Aerológica Gago Coutinho

teste2019-05-14 (IPMA)

A Estação Aerológica Gago Coutinho, pertencente à Divisão de Clima e Alterações Climáticas (DivCA) do IPMA, IP, é bastante procurada para visitas de estudo realizadas por Escolas do Ensino Básico e Secundário.

A observação meteorológica da atmosfera, em altitude, utilizando métodos diretos é conhecida por observação “aerológica”. Na execução de uma observação aerológica são utilizados, em regra, balões meteorológicos cheios de hélio, os quais transportam um instrumento equipado com sensores para medir grandezas meteorológicas (pressão atmosférica, temperatura e humidade relativa do ar e vento, ao longo da atmosfera na vertical) e que está dotado com um emissor de rádio para transmissão de dados até ao recetor instalado na estação. Este instrumento chama-se radiossonda.

A informação obtida pela radiossonda é visualizada, em tempo real, num computador.

Os dados são arquivados para estudos locais e regionais e para disseminação nacional e internacional.

No link abaixo um pequeno filme realizado por alunos do Projeto Erasmus STEM For All Seasons do Agrupamento de Escolas de Nelas, no passado dia 22 de fevereiro.

Imagens associadas

  • Anemómetro (medidor da velocidade do vento)
    Anemómetro (medidor da velocidade do vento)
  • Heliógrafo - instrumento usado para observar o número de horas de brilho solar em determinada localidade e dia do ano à superfície, referida como insolação
    Heliógrafo - instrumento usado para observar o número de horas de brilho solar em determinada localidade e dia do ano à superfície, referida como insolação

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 1

Caravela-Portuguesa: Bloom a nível nacional

Caravela-Portuguesa: Bloom a nível nacional

teste2019-05-14 (IPMA)

A espécie Physalia physalis (Caravela-Portuguesa) está, de momento, a ocorrer em toda a costa Portuguesa, incluindo nos Açores e Madeira.

Entre as espécies que ocorrem em Portugal, a Caravela Portuguesa é a que exige mais cautela. Influenciada por ventos e correntes de superfície, é frequentemente avistada na nossa costa. Apresenta um flutuador em forma de “balão" de cor azul e, por vezes, tons lilás e rosa; os seus tentáculos podem chegar aos 30m de comprimento e são muito urticantes, capazes de provocar graves queimaduras. Por isso, é importante relembrar que não se deve tocar nos tentáculos, mesmo quando a Caravela portuguesa aparenta estar morta na praia.

O GelAvista, relembra os cuidados a ter em caso de contacto com os tentáculos de uma caravela: deve limpar bem a zona afetada com água do mar e retirar quaisquer pedaços de tentáculos que possam ter ficado presos na pele. Poderá aplicar vinagre e bandas quentes e deverá procurar assistência médica.

A desenvolver a sua atividade desde 2016, o programa GelAvista tem vindo a envolver os cidadãos na ciência para a necessária recolha de informação sobre a ocorrência ou inexistência de organismos de aspeto gelatinoso na costa Portuguesa. Recebe informação sobre a presença de organismos gelatinosos, alertando a população, e transmite informação científica sobre as espécies, bem como os cuidados a ter em caso de contacto direto com a pele.

Qualquer ocorrência desta ou de outras espécies de organismos gelatinosos poderá ser comunicada ao programa GelAvista. A informação de cada avistamento (data, local, número de organismos e fotografia com objeto a servir de escala) deverá ser enviada para o email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar., ou através da aplicação GelAvista disponível na Play Store para sistemas Android.

Na página de facebook do GelAvista são frequentemente partilhadas as mais recentes ocorrências de organismos gelatinosos em Portugal, e no sítio gelavista.ipma.pt está também disponível informação sobre as espécies.

O Gelavista pretende continuar a contar com a colaboração da população para estudar e compreender a dinâmica dos organismos gelatinosos a larga escala em território nacional para que, no futuro, seja possível a previsão destas ocorrências.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 1

Reunião geral e apresentação do Atlas Europeu da Vida Marinha

Reunião geral e apresentação do Atlas Europeu da Vida Marinha

teste2019-05-08 (IPMA)

Vai realizar-se de 15 a 17 de Maio próximos, no Centro Cultural de Belém a reunião anual do projecto EMODnet Biology.

No dia 15 iremos ter “A Showcase for the European Atlas of Marine Life”. Trata-se de evento, coordenado por parceiros da EMODnet Biology, para demonstrar os produtos, ferramentas e serviços de dados desenvolvidos através da EMODnet Biology e disponibilizados através do Atlas of Marine Life. Focando em variáveis oceanográficas essenciais e em exemplos reais, especialistas internacionais contribuirão para a discussão e apresentarão ideias para o desenvolvimento futuro de produtos de dados marinhos. Este evento está ligado à conferência do Dia Marítimo Europeu (https://ec.europa.eu/maritimeaffairs/maritimeday/en/side-events#content-heading-1) e fornece a oportunidade de experimentar o Atlas of Marine Life.

O projeto EMODnet Biology (http://www.emodnet-biology.eu/) faz parte da Rede Europeia de Observação e Dados Marítimos financiada pela UE e tem como objetivo fornecer dados de biodiversidade marinha para as águas europeias tendo como suporte o World Register of Marine Species (Worms) e o Sistema Europeu de Informação Biogeográfica dos Oceanos. O portal de dados biológicos EMODnet fornece acesso livre a dados sobre a distribuição temporal e espacial de espécies marinhas de todos os mares regionais da Europa.

O EMODnet Biology é um consórcio de 21 instituições europeias, liderado pelo Flanders Marine Institute (VLIZ) da Bélgica e do qual o IPMA é um dos parceiros.

Imagens associadas


Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 2

Recursos minerais na plataforma continental do Alentejo

Recursos minerais na plataforma continental do Alentejo

Navio de investigação NI Noruega em operação de aquisição de sísmica de reflexão (foto cortesia de Luís Sebastião)2019-05-07 (IPMA)

Determinação do potencial em recursos minerais na plataforma continental do Alentejo e as condicionantes naturais impostas pelo soerguimento da margem continental no Plio-Quaternário.

O projeto MINEPLAT, financiado pelo PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO (Alentejo 2020, Portugal 2020, Fundos Europeus Estruturais de Investimento) terminou em abril de 2019 a fase de recolha de dados marinhos na costa oeste portuguesa entre o sul da serra da Arrábida e Odeceixe.

O objectivo principal deste projecto é o de proceder a uma primeira avaliação do potencial em recursos minerais na plataforma continental do Alentejo. Os levantamentos efetuados permitem hoje ter um mosaico de batimetria multifeixe e retro dispersão acústica do fundo marinho praticamente contínuos dum segmento de profundidade variável (30 a 200 metros) da plataforma continental entre a serra da Arrábida e Odeceixe.

Estes dados permitem uma visualização do fundo marinho em alta resolução (0,5 a 2 metros consoante a profundidade), contínua, permitindo uma imagem de qualidade sem precedente na Plataforma Continental da Margem Alentejana. A amostragem geológica realizada acrescenta a necessária caracterização dos sedimentos do fundo do mar. O conhecimento da estrutura do substrato é assegurado por perfis de sísmica de reflexão de ultra alta resolução, adquiridos perpendicularmente à costa a cada milha náutica com controlo através de vários perfis perpendiculares ao longo da plataforma continental. Estes perfis permitem uma resolução vertical de cerca de 10-20 cm até profundidades da ordem da centena de metros.

Os perfis magnéticos realizados possibilitam obter uma estimativa da localização e dimensão de corpos geológicos de susceptibilidade magnética elevada que permitem estender o conhecimento destas estruturas e composição da crosta a profundidades quilométricas.

Este trabalho exploratório tem o objectivo principal de reconhecer e cartografar depósitos sedimentares de minerais de interesse económico, sejam metálicos ou não-metálicos, como por exemplo, de areias de elevada qualidade para a alimentação artificial de praias.

Os levantamentos foram coordenados por equipas da Divisão de Geologia e Georecursos Marinhos do IPMA com a colaboração de equipas do Departamento de Geociências da Universidade de Évora.

Imagens associadas

  • Imagem da morfologia do fundo marinho com escala de cores entre aproximadamente 15 m e 110 m abaixo do nível do mar. A resolução vertical é de aproximadamente 10 cm e a horizontal de 50 cm. Notam-se bem os substratos rochosos antigos entalhados por rios aquando de níveis do mar mais baixos em períodos climáticos frios no Quaternário (possivelmente, há cerca de 18 mil anos).
    Imagem da morfologia do fundo marinho com escala de cores entre aproximadamente 15 m e 110 m abaixo do nível do mar. A resolução vertical é de aproximadamente 10 cm e a horizontal de 50 cm. Notam-se bem os substratos rochosos antigos entalhados por rios aquando de níveis do mar mais baixos em períodos climáticos frios no Quaternário (possivelmente, há cerca de 18 mil anos).
  • Mapa de amostragem do projeto MINEPLAT com recurso a dragas Smith-McIntyre e multicorer de gravidade.
    Mapa de amostragem do projeto MINEPLAT com recurso a dragas Smith-McIntyre e multicorer de gravidade.
  • Perfil sísmico de ultra alta resolução. Escala vertical em segundos de tempo duplo com correspondência em metros na coluna de água. Transgressive surfaces: notem-se os ravinamentos marinhos sobrepostos por níveis sedimentares que terminam abruptamente de encontro a escarpas litorais quase verticais. Estas terão hipoteticametne sido formadas durante pausas na subida do nível do mar durante aquecimentos climáticos no Quaternário. A profundidade do nível estacionário do mar encontra-se estimada (metros abaixo do nível do mar actual). Note-se como as arribas litorais antigas constituem armadilhas para depósitos sedimentares.
    Perfil sísmico de ultra alta resolução. Escala vertical em segundos de tempo duplo com correspondência em metros na coluna de água. Transgressive surfaces: notem-se os ravinamentos marinhos sobrepostos por níveis sedimentares que terminam abruptamente de encontro a escarpas litorais quase verticais. Estas terão hipoteticametne sido formadas durante pausas na subida do nível do mar durante aquecimentos climáticos no Quaternário. A profundidade do nível estacionário do mar encontra-se estimada (metros abaixo do nível do mar actual). Note-se como as arribas litorais antigas constituem armadilhas para depósitos sedimentares.
  • Mosaico de retro dispersão acústica (cinzentos) sobreposto a mapa de batimetria multifeixe. As manchas claras correspondem a elevada retro dispersão acústisca (high backscatter) de areias e afloramentos rochosos e, as escuras, a sedimentos predominantemente lodosos.
    Mosaico de retro dispersão acústica (cinzentos) sobreposto a mapa de batimetria multifeixe. As manchas claras correspondem a elevada retro dispersão acústisca (high backscatter) de areias e afloramentos rochosos e, as escuras, a sedimentos predominantemente lodosos.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 3

“Projeto-semente” em parceria entre o IPMA e o MIT

“Projeto-semente” em parceria entre o IPMA e o MIT

temperatura agua mar2019-04-24 (IPMA)

A parceria recentemente aprovada pelo programa MIT Portugal propõe a utilização de produtos de deteção remota desenvolvidos e produzidos no IPMA no âmbito do programa LSA SAF (nomeadamente temperatura de superfície e parâmetros de vegetação) com observações da missão SMAP (Soil Moisture Active Passive, com coordenação científica do MIT) para o estudo do balanço de energia, de água e de carbono na África Sub-Saariana.O estudo irá focar regiões particularmente vulneráveis às Alterações Climáticas, onde mudanças nos fatores dominantes das trocas de água e energia entre a superfície e a atmosfera terão implicações profundas na disponibilidade de recursos hídricos e na produtividade agrícola.

Imagens associadas



Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 6

110 anos do sismo de Benavente

110 anos do sismo de Benavente

sismo 2019-04-24 (IPMA)

Em 23 de abril de 1909, pelas 17:40, ocorreu o maior sismo do século XX com epicentro no interior do território continental, tendo atingido uma magnitude 6.0 (magnitude momento sísmico) e uma intensidade máxima X (Escala de Mercalli modificada, 1931) na zona de Benavente e Samora Correia. O campo macrossísmico foi particularmente extenso, tendo havido efeitos materiais (intensidade VI ou superior) em Lisboa, Setúbal e Évora.
O terramoto foi também bastante sentido em Espanha, com intensidade V (MM, 31) numa área bastante vasta, desde a fronteira com Portugal abarcando Cáceres e Ciudad Real. O sismo provocou cerca de 40 vítimas mortais, tendo gerado enorme destruição na zona epicentral.
O facto de ter ocorrido durante a tarde, em que grande parte da população local estava a trabalhar nos campos agrícolas, pode ter ajudado ao relativamente baixo número de vitimas mortais considerando o nível de destruição que foi observado. A atividade sísmica que se seguiu foi particularmente intensa tendo-se registado cerca de 270 réplicas durante os primeiros 12 meses após o sismo. Em anexo apresentamos um testemunho da época, extraído do "caderno da casa agrícola e assuntos pessoais" de António Plácido Pinto de Azevedo (1880-1929).

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 9

Indisponibilidade serviços através da internet, dia 22 abril

Indisponibilidade serviços através da internet, dia 22 abril

IPMA2019-04-18 (IPMA)

Na sequência do processo de adequação do "DataCenter", existente nas instalações do IPMA, à norma ISO 27001, informamos todos os utilizadores da informação produzida pelo IPMA que irá ser efetuada, segunda-feira dia 22 Abril, uma intervenção nos sistemas informáticos que disponibilizam os serviços do IPMA via internet.

Como consequência desta intervenção os serviços do IPMA que disponibilizam informação através da internet irão estar, previsivelmente, indisponíveis entre as 14h e as 18h do dia 22 abril.

Na expectativa da Vossa melhor compreensão, apresentamos antecipadamente o nosso pedido de desculpas pelo transtorno que iremos provocar.

Melhores cumprimentos.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 13

ICES Science Day

ICES Science Day

teste2019-04-16 (IPMA)

Realiza-se no próximo dia 7 de Junho o ICES Science Day, com o objetivo de divulgar a nível nacional como funciona e trabalha o Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES), apresentar o plano de Ciência, esclarecer dúvidas relativas aos benefícios da participação na Comunidade ICES, discutir a abordagem para Portugal beneficiar de uma maior participação e identificar quais os mecanismos financeiros e/ou outros poderão existir de modo a assegurar uma melhor participação nesta organização transatlântica.

Este evento realiza-se no IPMA-Algés e, esperamos possa reunir toda a comunidade científica portuguesa que desenvolve a sua atividade na área do mar, bem com todas as partes interessadas no trabalho desenvolvido pelo ICES.

Participe e inscreva-se nesta importante reunião enviando um email para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

O Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES) (https://www.ices.dk/) é uma organização intergovernamental de ciências marinhas que utiliza dados científicos para emitir pareceres sobre o estado e o uso sustentável do Atlântico Norte.

O seu objetivo é desenvolver e partilhar informação científica sobre os ecossistemas marinhos e os serviços a eles associados, para gerar aconselhamento imparcial de modo a conservar, gerir e manter sustentáveis os mares e oceanos comuns. Representa uma rede de 20 países membros, incluindo Portugal, que integra mais de 5.000 cientistas de mais de 700 institutos marinhos, dos quais, 1.500 cientistas participam anualmente nas suas atividades.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 14

Reunião Anual SNMB

Reunião Anual SNMB

teste2019-04-12 (IPMA)

No dia 11 de abril de 2019 realizou-se no Auditório do IPMA em Algés a Reunião Anual do Sistema Nacional de Monitorização de Moluscos Bivalves (SNMB).

Nesta Reunião, exclusiva para colaboradores internos do SNMB, foram apresentados Levantamentos Sanitários, resultados de monitorização de fitoplâncton nocivo e biotoxinas marinhas e de contaminação microbiológica, química, viral e doenças que afetam moluscos bivalves, assim como resultados de Ações de Verificação internas. Por fim, debateram-se questões relacionadas com os temas apresentados e ainda outros temas relacionados com a gestão do Projeto.

Estiveram presentes 72 colaboradores, estando representados os pólos do IPMA de Matosinhos, Aveiro e Olhão.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 13

Situação Meteorológica e os Incêndios Rurais em Março

Situação Meteorológica e os Incêndios Rurais em Março

Análise do modelo do ECMWF de 27 março 2019 às 00 UTC, pressão ao nível médio do mar (linhas a preto) e vento aos 850 hPa (sombreado a cor). Seta indicadora do fluxo a preto2019-04-02 (IPMA)

A predominância de situações anticiclónicas sobre a Europa Ocidental e Atlântico adjacente durante quase todo o mês de março, originaram um deficit hídrico significativo no território do Continente.
Durante o mês de março de 2019, com exceção do período entre 5 a 7, não se registaram quantidades significativas de precipitação e, associado a esta ocorrência, registaram-se valores muito baixos de humidade relativa, em especial a partir do dia 15. No período de 26 a 28, a situação agravou-se, tendo-se registado valores da humidade relativa extremamente baixos, inferiores a 15%, em quase todo o território, incluindo as regiões do litoral Norte e Centro, e o vento de leste intensificou, soprando por vezes forte, com rajadas da ordem 60-70 km/h.

Estas condições meteorológicas favorecem, por si só, uma propagação rápida dos incêndios rurais assim como uma secura rápida dos combustíveis finos que se encontram na camada superficial do solo e que é notório nos valores dos índices de humidade dos combustíveis finos e do índice de propagação inicial do fogo.

O índice meteorológico de perigo de incêndio florestal, FWI (Fire Weather Index), é um bom indicador da severidade das condições meteorológicas relativamente à intensidade do fogo.A excecionalidade dos valores do FWI para esta altura do ano é evidenciada pelo valor do percentil do FWI, exemplo dia 27 de março, onde os valores mais elevados se encontram nas regiões do Minho, Douro Litoral, Litoral Centro (onde foram registadas o maior número de ocorrências de incêndios nos últimos dias de março) e no Algarve.

O risco de incêndio florestal, disponibilizado diariamente na página do IPMA, o RCM, é uma combinação do índice FWI e da perigosidade (componente estrutural, da responsabilidade do Instituto da Conservação da Natureza e da Floresta, ICNF) apresentou nos dias 26 a 29, classes de risco Elevado ou Muito Elevado no Algarve e Baixo Alentejo, em alguns locais do interior das regiões Norte e Centro e risco Moderado ou Reduzido nas outras regiões.

Consulte o relatório completo no documento em anexo.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 13

Palestra sobre o Navio de Investigação Mar Portugal

Palestra sobre o Navio de Investigação Mar Portugal

Doutor Nuno Lourenço2019-03-27 (IPMA)

No passado dia 21 de março o Doutor Nuno Lourenço, vogal do Concelho Diretivo do IPMA, I.P., deu uma palestra sobre o navio de investigação Mar Portugal no auditório das instalações do IPMA, I.P. em Algés.

Este navio foi construído em 1986 como navio de suporte à armada inglesa em ações de defesa e salvamento. Em 2013, sofreu uma profunda modificação pelo anterior armador - Hays Ships - e foi convertido num navio de investigação para levantamentos técnico-científicos. Como Mar Portugal será agora adaptado para operações de investigação da pesca e operação com veículos de controlo remoto (ROV – Remote Operated Vehicle - ver foto).

O Navio tem 75 m de comprimento por 15 m de largura e apresenta um calado de 4.5 m. A sua autonomia é de 40 dias.

As equipas das campanhas, para além dos 16 tripulantes, podem ser compostas por 30 pessoas (investigadores e técnicos).

Página de internet: http://marportugal.ipma.pt

Imagens associadas

  • ROV Luso
    ROV Luso
  • Navio Mar Portugal
    Navio Mar Portugal

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 15

Publicação na Revista Internacional World Aquaculture

Publicação na Revista Internacional World Aquaculture

revista2019-03-22 (IPMA)

Esta publicação refere-se à cultura de mexilhão na zona offshore do Algarve. São apresentados aspetos relacionados com os métodos de produção, crescimento e perfil nutricional do mexilhão, assim como as potencialidades e constrangimentos desta produção no Algarve.

Imagens associadas

  • classificação de mexilhões a bordo
    classificação de mexilhões a bordo

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 23

Acondicionamento e transporte de animais marinhos vivos

Acondicionamento e transporte de animais marinhos vivos

acondicionamento2019-03-19 (IPMA)

O projeto AQUATRANSFER tem como um dos principais objetivos a transferência do conhecimento científico e tecnológico ao sector. Dado que frequentemente existem várias solicitações de transporte de animais marinhos vivos entre universidades, institutos de investigação, maternidades e empresas de produtores foi criada uma ação de divulgação sobre “Acondicionamento e transporte de animais marinhos vivos”. Nesta ação de interação e transferência de conhecimento pretendemos dar a conhecer as várias técnicas de transporte, características físico-químicas da água, tipo de espaço e de acondicionamento dos animais, para transportes de curta e/ou longa duração.

Imagens associadas

  • recolha
    recolha
  • transporte
    transporte

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 20

Nova plataforma de internet da Comunidade IPMA

Nova plataforma de internet da Comunidade IPMA

observar.ipma.pt2019-03-14 (IPMA)

O interesse cada vez maior dos cidadãos pela meteorologia e pelo clima é uma evidência, sendo comprovável pelo aumento de sistemas de observação, por particulares, pelo acompanhamento da evolução de fenómenos meteorológicos, através da troca de informação em tempo real, por grupos de cidadãos interessados, aproveitando os avanços dos sistemas de comunicação que facilitam o estabelecimento de processos associativos entre grupos mais ou menos organizados.

Se para o acompanhamento dos fenómenos de larga escala têm as redes de observação meteorológica dos diferentes países uma dimensão adequada, o mesmo não acontece para o acompanhamento de fenómenos de menor escala, que exige uma maior densidade de estações e um maior número de técnicos de observação incomportável para os Estados.

É face a esta realidade que este Instituto decidiu atualizar a plataforma de internet, da iniciativa Comunidade IPMA, com os seguintes objetivos:

  • dinamizar a interacção entre os colaboradores da comunidade e a plataforma de internet;
  • disponibilizar uma plataforma de internet mais apelativa em termos design;
  • melhor desempenho em termos de usabilidade tendo conta os diversos dispositivos móveis;
  • aproximar a plataforma e os conteúdos nela publicados das redes sociais;

Neste processo de atualização foi salvaguarda a migração de todos os conteúdos, bem como as contas dos utilizadores, da anterior plataforma meteoglobal.

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 25

Tratamento do Lixo Marinho

Tratamento do Lixo Marinho

CEiiA2019-03-11 (IPMA)

O lixo marinho surge como um dos maiores problemas ambientais da atualidade, produzindo efeitos negativos nos ecossistemas marinhos e na economia das regiões costeiras. É constituído por materiais produzidos, transformados e utilizados pelo Homem, sendo deliberada ou acidentalmente descartados ou perdidos no ambiente aquático (e.g., mar, rios ou praias). Segundo algumas estimativas, cerca de 80 por cento do lixo marinho tem origem em atividades em terra. Embora se reconheça este risco ambiental, o seu impacto nos ecossistemas é ainda pouco conhecido. Os objetivos do projeto GIDLAM, promovido pelo IPMA, passam pela criação de uma plataforma de gestão de dados, que inclua o processamento e disponibilização dos dados de lixo marinho recolhidos na costa portuguesa para apoiar implementação da Diretiva Quadro Estratégia Marinha (DQEM-D10). O CEIIA é responsável pelo desenvolvimento do sistema de gestão de dados.

Imagens associadas

  • IPMA
    IPMA

Siga-nos no:

Ver original (Instituto Português do Mar e da Atmosfera)

  • Visualizações: 34

© Associação Humanitária de Bombeiros de Parede 'Amadeu Duarte'-2017

0
Shares